Carioca Rodrigo Faour lança livro com dois volumes em Salvador com bate-papo e homenagem à Gal Costa

Autor faz mapeamento inédito da produção musical do país desde 1500 até os dias atuais

Foto: Divulgação

Fonte: www.ibahia.com

Editado 071Notícias

O escritor carioca Rodrigo Faour lança nesta semana, em Salvador, dois volumes de um livro sobre música. Batizada de “História da Música Popular Brasileira sem Preconceitos”, a obra vai apresentar para o público referências da cultura e da música brasileira.

Os volumes serão lançados na terça-feira (24), das 19h às 21h30 na Varanda do Sesi Rio Vermelho. Na ocasião, haverá um bate-papo do autor sobre o tema com a jornalista Wanda Chase e artistas da música baiana, como Armandinho Macedo, Alexandre Leão, Cláudia Cunha, Juliana Ribeiro, Luciano Salvador Bahia, Márcia Castro, Sarajane, entre outros. O evento fará ainda uma homenagem à cantora Gal Costa.

Os volumes 1 e 2 vão abordar todas as tribos da música brasileira, do brega ao chique, do experimental ao comercial e sem centralidade no eixo Rio-São Paulo.

No primeiro volume da obra, Rodrigo Faour alerta que não existe apenas uma música popular brasileira, discutindo a música desde 1500 até os anos 1970, discutindo sobre ritmos como choro, samba, marchinha, valsa, frevo, carimbó, samba-rock, forró, música caipira, brega, etc.

Em História da música popular brasileira sem preconceitos vol. 2, o leitor terá acesso não apenas aos estilos que a maioria dos estudiosos do assunto e da mídia culta costumam valorizar, como a chamada “MPB”, o samba e o rock nacional, mas também aos diversos gêneros (e subgêneros) que outrora eram considerados de menor valor, seja por estarem alinhados a interesses mais comerciais, como boa parte da música de linhagem mais popular — rotulada de “cafona”, depois “brega”.

Neste volume dois, há também minicapítulos sobre o cancioneiro de Pernambuco, Pará, Maranhão, Rio Grande do Sul e também da Bahia, além de fenômenos como o punk rock e a vanguarda paulista, e outros outrora vistos como “menos brasileiros”, como o pop mais despretensioso, o soul, a disco e a dance music, o forró eletrônico, o funk carioca e o hip-hop.

Em relação à música baiana, além dos inúmeros artistas que saíram da capital e se tornaram ídolos, indo morar no eixo Rio-São Paulo, há um inventário de artistas locais, sobretudo do carnaval (afoxés, blocos afro, trios elétricos, pagodão, samba duro, ou seja, dos primórdios à axé music, chegando a Igor Kanário e Baiana System). Também não foram esquecidos artistas do arrocha (Pablo), reggae (Edson Gomes), rock (Camisa de Vênus, Pitty), MPB (Márcia Castro, Luedji Luna, Xênia França, Larissa Luz, Emanuelle Araújo), bossa nova/jazz (Rosa Passos, Eliane Elias), rap (Baco Exú do Blues), forró eletrônico (Solange Almeida), sertanejo (Simone e Simaria) e piseiro (Barões da Pisadinha, Tierry).

A + 071Notícias

0 0 votos
Article Rating
Se inscrever
Notificar de
guest

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários