Presidente nomeia delegado da PF como secretário extraordinário de Segurança Imediata

Presidedente Lula da Silva durante reunião com governadores e ministros, no Palácio do Planalto. | Sérgio Lima/Poder360 27.jan.2023

Alexsander Castro de Oliveira, que chefiou segurança do presidente na campanha, assume função no gabinete da Presidência

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já afirmou não confiar sua segurança pessoal a militares lotados no GSI

Fonte: www.poder360.com.br

O delegado da PF (Polícia Federal) e chefe de segurança do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante a campanha eleitoral, Alexsander Castro de Oliveira, foi nomeado secretário extraordinário de Segurança Imediata do gabinete da Presidência.  A indicação foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União de 5ª feira (26.jan.2023). A função não estará vinculada ao GSI (Gabinete de Segurança Institucional), que teve oficializadas mudanças em cargos do alto escalão durante a semana. Eis a íntegra da portaria (100 KB).

Enquanto delegado, Oliveira atuou na operação Cravada, deflagrada em 2019 para desarticular o núcleo financeiro do PCC (Primeiro Comando da Capital). Também chefiou em 2020 a operação Caixa Forte, que mirou líderes da facção criminosa. Ele já havia participado da coordenação de segurança da campanha da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2010, e a secretaria extraordinária de Segurança para Grandes Eventos, que coordenou a segurança da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016.  Outras portarias também publicadas na 5ª feira (26.jan) afastaram 5 militares do GSI, sendo 4 em gabinetes do Rio de Janeiro.

Ao todo, 79 militares já foram exonerados -jargão do serviço público para demissões- de cargos próximos à Presidência e Vice-Presidência da República do governo Lula. Há uma articulação em curso para remover os militares lotados em cargos durante o mandato do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) do governo. O movimento se intensificou depois dos atos extremistas do 8 de Janeiro e, sobretudo, com a declaração dada por Lula em que disse não confiar sua segurança pessoal em oficiais da Forças Armadas.

O presidente demonstrou que não confia o suficiente em militares que não conhece há anos para tê-los à sua volta. Eis a declaração de 12 de janeiro: “Agora, por exemplo, eu não tenho ajudante de ordens. Meus ajudantes de ordens são meus companheiros que trabalharam comigo antes. Por que eu não tenho? Eu pego o jornal está o motorista do Heleno dizendo que vai me matar e que eu não vou subir a rampa. O outro diz que vai me dar um tiro na cabeça e que eu não vou subir a rampa. Como é que eu vou ter uma pessoa na porta da minha sala que pode me dar um tiro? Então eu coloquei como meus ajudantes de ordem os companheiros que trabalham comigo desde 2010, todos militares.”

0 0 votos
Article Rating
Se inscrever
Notificar de
guest

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários