Projeto no Congresso cria regras fiscais para anos eleitorais

Deputado Arthur Lira reeleito presidente da Câmara dos Deputados.| Sérgio Lima/Poder360 01.fev.20232033

Texto em análise propõe que o Poder Executivo envie perspectivas econômicas e fiscais pré-eleitorais

Fonte: www.poder360.com.br

O PLP (Projeto de Lei Complementar) 8/23 pretende alterar a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) para estabelecer regras na eleição para a Presidência da República. O texto está em análise na Câmara dos Deputados. Ao apresentar a proposta na Câmara, o deputado federal Marangoni (União Brasil-SP) destacou que se trata da reapresentação de iniciativa do ex-senador José Serra (SP). “Esse projeto tem valor relevante à sociedade brasileira, assim reiteramos os argumentos”, afirmou.

Conforme o texto, no 1º dia útil do 2º trimestre do ano da eleição para a presidente da República, o Poder Executivo encaminhará ao Congresso Nacional um relatório com as perspectivas econômicas e fiscais pré-eleitorais. “Assim, antes do início da campanha, teremos o panorama detalhado da situação fiscal”, explicou Marangoni. “A essência é evitar o uso de informações incorretas e que os gastos públicos sejam aumentados de maneira irresponsável”, afirmou.

“A campanha em 2022 evidenciou abusos econômicos pelo governo de forma exaustiva, sem que tivéssemos transparência ou instrumentos institucionais para conter tal situação”, ressaltou o autor da proposta. “É essencial suprir essa lacuna legislativa, o que contribuirá para o aprimoramento institucional do País”, disse.

RELATÓRIO PRÉ-ELEITORAL A proposta inclui dispositivos na LRF para disciplinar a elaboração do relatório de perspectivas pré-eleitorais, que deverá conter:

  • todos os indicadores do cumprimento de todas as metas do setor público;
  • a atualização das estimativas fiscais para o exercício corrente e os 3 seguintes;
  • as premissas econômicas para o exercício corrente e os 3 seguintes;
  • declaração sobre a sensibilidade das estimativas às mudanças nas premissas;
  • declaração atualizada dos riscos, quantificados quando possível, que possam ter efeito material sobre as perspectivas fiscais, incluindo os passivos contingentes;
  • os compromissos governamentais ainda não incluídos nas estimativas fiscais;
  • as negociações governamentais ainda não finalizadas; e
  • relatório de cada ministério com a projeção do custo para cumprimento de cada programa até o fim do exercício corrente em comparação com o Orçamento

INSPEÇÃO DO TCU “Além disso, qualquer nova despesa deverá ser compatível com o relatório, sendo que o Congresso, a partir da iniciativa de qualquer parlamentar, poderá solicitar inspeção ao TCU (Tribunal de Contas da União) para verificar se, no período eleitoral, o governo manteve o cumprimento do relatório”, disse Marangoni.

Segundo a proposta, a eventual violação dos indicadores constantes do relatório constituirá crime de responsabilidade atribuído ao presidente da República.

A Lei 1.079/50 prevê como sanções a perda do cargo ou, eventualmente, a inabilitação para exercício de cargo público e a inelegibilidade para cargo político.

TRAMITAÇÃO A proposta ainda será despachada para análise das comissões permanentes da Câmara. Depois será enviada ao Plenário.

0 0 votos
Article Rating
Se inscrever
Notificar de
guest

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários