Anderson Torres chega a Brasília e deve se entregar à PF

Ex-ministro de Bolsonaro é acusado de omissão em relação aos atos extremistas de 8 de Janeiro

Com prisão decretada, Anderson Torres embarca de volta para o Brasil
Anderson Torres de volta ao Brasil

Fonte: PODER360 14.jan.2023 (sábado) – 7h50

Editado 071Notícias

O avião que transportava o ex-minsitro da Justiça e ex-secretário de Segurança do Distrito Federal Anderson Torres pousou no Aeroporto Internacional de Brasília por volta das 7h20 deste sábado (14.jan.2023). O ex-ministro estava em Miami, nos EUA, de onde embarcou na noite de 6ª feira (13.jan)

A PF (Polícia Federal) deve cumprir um mandado de prisão contra Torres em instantes. A ordem foi expedida pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), na 3ª feira (10.jan).

No dia seguinte, a maioria dos ministros da Corte (9 a 2) confirmou a prisão do ex-ministro do presidente Jair Bolsonaro (PL). O Supremo também referendou a ordem de prisão de Fábio Augusto Vieira, ex-comandante da PMDF (Polícia Militar do Distrito Federal).

Torres e Vieira são acusados de omissão em relação aos atos extremistas e às invasões às sedes dos Três Poderes da República em Brasília. No cumprimento de um mandado de busca e apreensão, a PF encontrou na casa do ex-ministro uma minuta para o então presidente Jair Bolsonaro (PL) decretar Estado de Defesa na sede do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), em Brasília. O objetivo do documento seria mudar o resultado da eleição presidencial.

O ex-secretário do DF havia prometido voltar ao Brasil e se entregar à polícia até 4ª feira (11.jan). Porém, segundo ele, falhas nos aeroportos dos EUA causaram o atraso. Na 6ª feira (13.jan), o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, disse que daria início ao processo de extradição de Torres caso ele não retornasse ao país até a próxima 2ª feira (16.jan).

INVASÃO AOS TRÊS PODERES

Por volta das 15h de domingo (8.jan.2023), extremistas de direita invadiram o Congresso Nacional depois de romper barreiras de proteção colocadas pelas forças de segurança do Distrito Federal e da Força Nacional. Lá, invadiram o Salão Verde da Câmara dos Deputados, área que dá acesso ao plenário da Casa. Equipamentos de votação no plenário foram vandalizados. Os extremistas também usaram o tapete do Senado de “escorregador”.

Em seguida, os radicais se dirigiram ao Palácio do Planalto e depredaram diversas salas na sede do Poder Executivo. Por fim, invadiram o STF (Supremo Tribunal Federal). Quebraram vidros da fachada e chegaram até o plenário da Corte, onde arrancaram cadeiras do chão e o Brasão da República –que era fixado à parede do plenário da Corte. Os radicais também picharam a estátua “A Justiça”, feita por Alfredo Ceschiatti em 1961, e a porta do gabinete do ministro Alexandre de Moraes.

Os atos foram realizados por pessoas em sua maioria vestidas com camisetas da seleção brasileira de futebol, roupas nas cores da bandeira do Brasil e, às vezes, com a própria bandeira nas costas. Diziam-se patriotas e defendiam uma intervenção militar (na prática, um golpe de Estado) para derrubar o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

ANTES DA INVASÃO

A organização do movimento havia sido monitorada previamente pelo governo federal, que determinara o uso da Força Nacional na região. Pela manhã de domingo (8.jan), 3 ônibus de agentes de segurança estavam mobilizados na Esplanada. Mas não foram suficientes para conter a invasão dos radicais na sede do Legislativo.

Durante o final de semana, dezenas de ônibus e centenas de carros e pessoas chegaram à capital federal para a manifestação. Inicialmente, o grupo se concentrou na sede do Quartel-General do Exército, a 7,9 km da Praça dos Três Poderes. Depois, os radicais desceram o Eixo Monumental até a Esplanada dos Ministérios a pé, escoltados pela Polícia Militar do Distrito Federal. O acesso das avenidas foi bloqueado para veículos. Mas não houve impedimento para quem passasse caminhando.

Durante o domingo (8.jan), policiais realizaram revistas em pedestres que queriam ir para a Esplanada. Cada ponto de acesso tinha uma dupla de policiais militares para fazer as revistas de bolsas e mochilas. O foco era identificar objetos cortantes, como vidros e facas.

CONTRA LULA

Desde o resultado das eleições, extremistas de direita acamparam em frente a quartéis em diferentes Estados brasileiros. Eles também realizaram protestos em rodovias federais e, depois da diplomação de Lula, promoveram atos violentos no centro de Brasília. Além disso, a polícia achou materiais explosivos em 2 locais da capital federal.

LINHA DO TEMPO DA INVASÃO SÁBADO PRÉ-INVASÃO (7.jan)

  • a chegada dos extremistas – ao menos 80 ônibus com apoiadores de Bolsonaro chegam a Brasília. Eles se concentram em frente ao QG do Exército, onde estão acampados os manifestantes que contestam o resultado das eleições;
  • interdição da Esplanada – estava interditada para carros e pessoas no sábado (7.jan). Segundo o ministro da Justiça Flávio Dino, Ibaneis decidiu no sábado liberar a via para pedestres, não atendendo a pedidos de Dino para que ela permanecesse fechada;
  • acampamento em Belo Horizonte – o ministro Alexandre de Moraes emite decisão determinando a desobstrução de acampamento em frente ao QG do Exército na cidade; Força Nacional (19h) – Dino emite portaria autorizando o uso da Força Nacional na Esplanada dos Ministérios em Brasília até 2ª feira (9.jan)

DOMINGO (8.jan)

  • tensão de manhã – Brasília amanhece sob tensão entre os radicais acampados e a chegada da Força Nacional. Às 7h36, Dino publica no perfil do Twitter que espera não haver atos violentos e que não seja necessário a polícia atuar. O acampamento em frente ao QG do Exército conta com mais pessoas. Já se sabia, pela manhã, que os manifestantes planejavam caminhar até o Palácio do Planalto. Extremistas convocam para o ato em frente ao Congresso;
  • Múcio do acampamento – ministro da Defesa vai ao acampamento pela manhã e diz que o clima é “por enquanto, calmo”;
  • marcha ao Planalto (13h) – acampados começam a sair do QG do Exército em direção à Esplanada. Um policial militar elogia a manifestação e diz que vai “escoltá-los” para garantir a segurança dos que marcham;
  • concentração (13h) – o Poder360 consta cerca de 100 pessoas concentradas em frente ao Congresso, que são só revistadas. Esperam o grupo maior e pessoas que caminham do QG do Exército em direção ao local; bloqueio é furado (15h) – extremistas rompem a barreira de proteção policial;
  • invasão do Congresso (15h10) – radicais de direita invadem o Congresso e começam a depredá-lo;
  • Flávio Bolsonaro tenta se distanciar (15h24) – o senador (PL-RJ) envia mensagem a um grupo de colegas da Casa Alta tentando afastar a responsabilidade de seu pai, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), dos atos;
  • bombas de gás (15h30) – com um efetivo reduzido, a PM-DF tenta conter os manifestantes com bombas;
  • Dino se manifesta (15h43) – ministro da Justiça classifica invasão como absurda e diz que o governo do Distrito Federal prometeu reforços;
  • invasão do Planalto (15h50) – extremistas avançam e invadem o Palácio do Planalto, dando início à depredação e à destruição de obras de arte e outros objetos;
  • invasão do STF (15h50 às 16h) – praticamente ao mesmo tempo, os extremistas entram e vandalizam o Supremo Tribunal Federal;
  • Força Nacional chega à Esplanada (16h25) – convocada no dia anterior pelo ministro da Justiça, a força chega quando as sedes dos Três Poderes já haviam sido invadidas;
  • Aras pede investigação (16h25) – o procurador-geral da República pede que a Procuradoria da República do Distrito Federal abra investigação criminal;
  • demissão de Anderson Torres (17h08) – o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), demite o secretário de Segurança Pública, que está nos Estados Unidos;
  • Lula decreta intervenção (17h50) – o presidente, que está em Araraquara (SP) para verificar estragos das chuvas, anuncia intervenção federal na segurança pública de Brasília e diz que todos serão punidos. Lula responsabiliza Bolsonaro pelos atos;
  • Valdemar: “Não representam Bolsonaro” (18h) – o presidente do PL divulga um vídeo à imprensa dizendo que os atos não representam o partido;
  • fogo no gramado (18h20) – extremistas colocam fogo no gramado do Congresso Nacional;
  • prisão de extremistas (18h20) – polícia do Distrito Federal começa a retomar prédios públicos e a prender radicais de direita;
  • AGU pede prisão de Torres (18h30) – a Advocacia Geral da União pede ao STF a prisão em flagrante do ex-secretário da Segurança Pública do Distrito Federal;
  • Ibaneis pede desculpas (19h) – governador do Distrito Federal (MDB) pede desculpas a Lula, Rosa Weber, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco;
  • interventor vai à Esplanada (20h15) – Ricardo Capelli, nomeado para ser interventor da segurança do Distrito Federal, vai à Esplanada depois das invasões;
  • depois de 6h, Bolsonaro condena invasão (21h17) – o ex-presidente posta nota em seu perfil do Twitter em que compara os atos com manifestações de esquerda. Diz que repudia acusações de Lula sobre ter responsabilidade nos atos;
  • PF instala gabinete de crise (21h40) – força cria grupo para coordenar ações e identificar os autores de crimes na invasão; Lula vistoria Planalto e STF (22h) – presidente está acompanhado dos ministros Roberto Barroso, Rosa Weber e Dias Toffoli.

2ª FEIRA (9.jan)

  • Moraes afasta Ibaneis Rocha (0h20) – ministro do STF determina afastamento do governador do Distrito Federal (MDB) por 90 dias;
  • PM desocupa acampamento em Brasília — forças de segurança atuam em frente ao QG do Exército para retirar pessoas que estavam acampadas desde o final do 2º turno da eleição presidencial;
  • PF abre 3 inquéritos para apurar invasão aos Poderes – ministro da Justiça, Flávio Dino, diz que cada inquérito investigará as circunstâncias e a responsabilização sobre a invasão dos prédios do Congresso Nacional, do Palácio do Planalto e do STF (Supremo Tribunal Federal);
  • Financiador e atos foram identificados em 10 Estados – ministro da Justiça, Flávio Dino, não informa quais seriam os Estados e nem detalha quantos foram os que contribuíram com dinheiro ou recursos para as manifestações radicais.

3ª FEIRA (10.jan)

  • Lula, ministros e governadores vão a prédio depredado do STF – presidente e autoridades federativas fazem gesto de união e visitam a Corte;
  • intervenção na segurança do DF – Congresso valida em votação simbólica o decreto de intervenção federal no DF até 31 de janeiro;
  • CPI depende de investigações, diz Jaques Wagner – líder do Governo no Senado indica que CPI para investigar 8 de Janeiro só deve ser convocada na próxima legislatura, em fevereiro;
  • Moraes manda prender ex-ministro Anderson Torres – ministro do STF decreta a prisão do ex-ministro da Justiça e ex-secretário de Segurança Pública do DF. Em viagem aos EUA, Torres afirma que retornará ao Brasil para se apresentar à Justiça.

4ª FEIRA (11.jan)

  • STF chancela decisões – a Corte dá parecer favorável ao afastamento de Ibaneis e à prisão de Anderson Torres PF conclui perícia no STF e depoimentos de suspeitos – cerca de 50 profissionais finalizam a vistoria da Corte com prazo de liberação do laudo em até 30 dias;
  • PF também conclui depoimentos de 1.159 autuados;
  • Planalto sedia 1º evento após 8 de Janeiro – as ministras Anielle Franco (Igualdade Racial) e Sonia Guajajara (Povos Indígenas) tomam posse no 1º evento realizado no Palácio do Planalto depois das invasões;
  • Novos atos flopam – novas manifestações extremistas organizadas pelo país têm baixa aderência.
0 0 votos
Article Rating
Se inscrever
Notificar de
guest

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários