Lula diz que empresas de aplicativos “exploram trabalhadores” como jamais visto

A declaração ocorreu durante reunião com a Confederação Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras das Américas (CSA) em um evento no Palácio do Planalto

Fonte: www.correiobraziliense.com.br

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou, nesta quarta-feira (1º/3), que as empresas de aplicativos “exploram os trabalhadores como jamais foram explorados”. A declaração ocorreu durante reunião com a Confederação Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras das Américas (CSA) em um evento no Palácio do Planalto. Entre os convidados, estava o ex-presidente do Uruguai, Pepe Mujica.

“O movimento sindical a nível internacional vive uma situação complicada, difícil. Todos sabemos o que a chamada globalização dos anos 80 causou no mundo do trabalho. Todo mundo sabe os efeitos do mundo do trabalho com as empresas de aplicativo determinando o que acontece no mundo do trabalho em todos os países do mundo. E todos sabemos as dificuldades que os trabalhadores do mundo todos estão passando e sabemos a responsabilidade que os movimentos sindicais terão daqui para frente de tentar reestruturar uma nova relação, novo pacto na legislação de trabalho e capital”.


“Aqui no Brasil temos uma imensa maioria de trabalhadores que são intermitentes, temporários, que não conhecem seu empregador, que sequer tem onde reclamar quando alguma desgraça acontece. Eu digo sempre que era muito fácil fazer sindicalismo nos anos 60, 70, 80, quando nosso contato direto com o trabalho na porta da fábrica era muito grande. A gente sabia onde estava o empregador e sabia como brigar para enfrentar as adversidades no mundo do trabalho. Hoje não está tão fácil assim. O trabalho informal ganha dimensão maior do que a formal e as empresa de aplicativo exploram o trabalhador como jamais em outro momento da história os trabalhadores foram explorados”, emendou.

“Cabe, outra vez aos dirigente sindicais encontrar uma saída que permita que a classe trabalhadora do mundo inteiro possa reconquistar seus espaços, não apenas na relação com seus empregadores, mas nas conquistas da seguridade social que os trabalhadores estão perdendo em muitos lugares do mundo”.


Lula destacou então o papel do ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, na “reconstrução da relação democrática com o movimento sindical”. “Ele sabe que foi praticamente destruído, grande parte das conquistas desapareceram e vamos ter que brigar outra vez, possivelmente com muito mais dificuldade para que possa devolver aos trabalhadores o direito de viver com o mínimo de dignidade”.


Ainda nesta quarta, o iFood anunciou a demissão de 355 funcionários, o que representa 6,3% de sua força de trabalho no Brasil. Na ocasião, Lula destacou ainda a necessidade de fortalecer o Mercosul, o Unasul e a Celac. “Temos consciência de que se cada país da América Latina tentar negociar individualmente, a chance de levar vantagem é muito menor do que a gente trabalhar de forma conjunta”, destacou o presidente.


Por fim, o petista defendeu uma América Latina “mais unificada” e “sem fronteiras”, além de prometer governar para “o povo mais pobre, trabalhador mais necessitado”.

“Cabe, outra vez aos dirigente sindicais encontrar uma saída que permita que a classe trabalhadora do mundo inteiro possa reconquistar seus espaços, não apenas na relação com seus empregadores, mas nas conquistas da seguridade social que os trabalhadores estão perdendo em muitos lugares do mundo”.


Lula destacou então o papel do ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, na “reconstrução da relação democrática com o movimento sindical”. “Ele sabe que foi praticamente destruído, grande parte das conquistas desapareceram e vamos ter que brigar outra vez, possivelmente com muito mais dificuldade para que possa devolver aos trabalhadores o direito de viver com o mínimo de dignidade”.


Ainda nesta quarta, o iFood anunciou a demissão de 355 funcionários, o que representa 6,3% de sua força de trabalho no Brasil. Na ocasião, Lula destacou ainda a necessidade de fortalecer o Mercosul, o Unasul e a Celac. “Temos consciência de que se cada país da América Latina tentar negociar individualmente, a chance de levar vantagem é muito menor do que a gente trabalhar de forma conjunta”, destacou o presidente.


Por fim, o petista defendeu uma América Latina “mais unificada” e “sem fronteiras”, além de prometer governar para “o povo mais pobre, trabalhador mais necessitado”.

0 0 votos
Article Rating
Se inscrever
Notificar de
guest

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários